sexta-feira, 24 de maio de 2013

Incertezas



 
Foge de mim o vento num raio de sol
Ora cá, ora lá caminho adiante
Nada é como era, nada parece ter
A leveza no ser a certeza da hora
Em que as aves se aninham num ninho que chora

Foge de mim como sempre inconstante
A castidade nas incertezas em rol  
Nada é ou volta a ser como antes
Porque o vento já não se demora
E o alento é o vazio que implora

Silencio…!

Reina, invisível… Nem as paredes sabem  a cor. Ou o cheiro do seu eterno bafo. São tantas as nuances que não cabem na casa desventra...