quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Ai de mim...

Deixa que adormeça na terra árida.
Que o tojo seja o cobertor dos dias frios.
A aurora seja o sinal que a alma aguarda.
E o vento o companheiro nos baixios.

Deixa… já que a vida é curta e ávida.
Na aridez quase nunca faltam estios.
Não sei se é de mim ou da jornada.
Invento salgueiros, invento os rios!...

Mas a água é salobra, não mata a sede.
Aquela que trouxe ao nascer… Ai de mim!...
Invento as margaridas sem ter jardim.

Deixa que adormeça… começa assim…
A cantilena que a ninguém convence.
Enquanto o relógio anuncia… E já anoitece!




Queridos leitores e amigos. Este espaço nasceu em 2010, como tal, a lista de leitura está a tornar-se extensa, oito anos é muito tempo, sã...