domingo, 29 de julho de 2012

Raciocínio


Pobres almas aquelas
Que julgamos inferiores
Acabam por ser julgadas
Tenham ou não valor

Tardou o raciocínio…Tardou
Compreensão inacabada, palavras em atropelo
Quem sabe é o amor novelo
De aflições, furor de alma vencida
Vencida na vida contida sem abrangência

Pobres almas aquelas
Que tentamos rotular
Que não vemos as mazelas
Mesmo dizendo amar.

Ai de mim...

Deixa que adormeça na terra árida. Que o tojo seja o cobertor dos dias frios. A aurora seja o sinal que a alma aguarda. E o vento o ...