sábado, 6 de outubro de 2012

Noite acordada



Na claridade do dia vejo nublado
É de noite que a ideia cativa
Voltas na cama penso e repenso
Voltas da vida noite esquisita

Perco o sentido das coisas sempre que acordo
Vivo na vida ao contrário não me sai da cabeça
Uma meada de sonhos reduzidos a escombro
Uma pedrada no charco p´ra que aconteça
Esbanjo saudades e desapego estranha mortalha
A lua já vai tão alta causa-me assombro
Tenho saudades por estranho que pareça
Quero-as ao longe por cima do ombro

Na claridade do dia vejo nublado
A negação é por fim dissipada
Aceito então o meu fado
Horas e horas na noite acordada.