quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Pergunta



No porquê da pergunta o silêncio gela
Todas as respostas possíveis, e a certeza
Do nó na garganta coalha a esperança
De que um dia me oiças

Porque espera a razão o que não conheço
Porque o medo assola o momento oportuno
E a vontade esvai-se num riacho sem fundo

Porquê, será complicado o meu jeito de ser
Serei tresloucada um tanto vidrada no silêncio
Perguntas e mais perguntas o mesmo sentido
Respostas que ficam por dar, no meu mundo perdido

No porquê da pergunta uma nova agonia
Na reposta por dar uma vida vazia
E assim se passam os dias os anos até
Assim a vida se esvai perdendo a maré.

Ai de mim...

Deixa que adormeça na terra árida. Que o tojo seja o cobertor dos dias frios. A aurora seja o sinal que a alma aguarda. E o vento o ...