sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Caminhos




Que fez o tempo com a nossa alma
Surripiou a cor numa tarde calma
E a primavera passou ao largo
Que fez o tempo, porquê o amargo
Da existência.

Sabes quem um dia sonhei alto
Imaginei a doçura do desenlace
O aconchego da morte quieta
Da sorte viva, do calor de um sorriso
O frio passaria ao largo
Tudo seria preciso.
 
Hoje no embalo da desilusão
Não encontro culpados
Quase sempre a razão
Ousa caminhos trocados


Queridos leitores e amigos. Este espaço nasceu em 2010, como tal, a lista de leitura está a tornar-se extensa, oito anos é muito tempo, sã...