segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Corre


Corre pelos corredores da ventura
Salta barreiras e vãos
Eleva ao alto as mãos
Só assim serás tu

Não temas apresentar-te nu
Na simplicidade a sorte
De saber viver

Vai, empurra o cansaço
Desfaz-te de embaraço
Encara o dia de frente
Deixa lá o ser diferente
Na diferença a vitória

Corre, sente o vento na cara
Nos ombros sente a leveza
Atreve-te, faz guerra à tristeza
Finalmente dormirás descansado
O dia ao olhar-te denotará um fardo tombado

Aos teus pés tombou a morte e a sorte revive por fim
No passo que deste em frente
As desilusões pereceram o teu quinhão se achegou
Agora estás pronto, faz-te à vida que por fim vislumbrou
Em ti a vontade de perderes as penas
As penas com que te olhas

Repara o sol nasceu apesar da trovoada
Assim pode ser a jornada, basta que a vontade
Nunca seja saciada.