domingo, 9 de dezembro de 2012

Madrigais



Dá-me um abraço perdido no tempo
Divide comigo por um momento
A tentação de ter lugar além
Onde o imaginário acontece. Porém
É temível a pergunta
E depois.

Quando os rios secarem e as fontes cessarem
Perdemos subitamente a vontade
Repetidas palavras vãs
Dá-me um abraço na frescura das manhãs
Olha as ruas desertas, as portas fechadas
Onde a cidade ainda acontece
E os passos vadios calcam a calçada, solenemente

Dá-me um abraço, diz-me contudo a cor dos dias
Reparte comigo verdes trigais
Diz-me apenas o teu nome, madrigais

Sejam por fim as tuas mãos estendidas

Mulher atrevida...

Mulher atrevida… Não sei se é sonho ou se é esperança .   É um sentir agreste, uma força viva .   Até quando dorme pode  ser crian...