sexta-feira, 22 de março de 2013

O que é isto de ser Poeta.



Bem longe vai o tempo
Do poeta de pés descalços
Dos bares corridos a eito
Dos dedos enegrecidos
Pelo morrão do cigarro
Das paixões em revés
Que ditavam cada linha
Da raiva em fúrias marés
Que o poeta adivinha.

Ser poeta no agora
É fino parece bem
Virou moda, mas outrora
A poesia ia além

À alma de quem a lia
Ficava marcada no tempo
Hoje é rima fugidia
Que se dissipa no vento

Que a miúde se levanta
No meio de tanto alarde
Porque às vezes, o ser (poeta)
É poalha sem entrave…21-03-2013

Silencio…!

Reina, invisível… Nem as paredes sabem  a cor. Ou o cheiro do seu eterno bafo. São tantas as nuances que não cabem na casa desventra...