sábado, 5 de dezembro de 2015

Não te sei...

Sem tempo para dizer, bom dia.
E o dia não pára!
Sem tempo para sorrir.
E todos os sorrisos são iluminaria!
Sem tempo… Onde o tempo escasseia,
e a vida corre aflita na busca da eternidade.

Que é de ti e de mim?
Ou dos sonhos repartidos numa noite de luar,
que é da força que une as bocas?
Precisão inabalável ao cair da tarde!
Se o tempo deixou de ter importância;
enquanto escondo que não te sei.






Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...