quinta-feira, 10 de novembro de 2011

De mim

Permissível é a procura inconstante de mim mesma
Imprevisível a procura que desfaço. De um abraço
 Um sorriso no rosto, o pequeno gosto de um aconchego.
Em contra mão procuro à noitinha a outra metade
Eu sei que está ali no meio do escuro, mas a verdade
é que desisto, cruzo os braços sossegadamente
Encosto a cabeça à ombreira da solidão
Afasto-me assim de mim com permissão.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...