domingo, 4 de novembro de 2012

Morreu a mulher

Atravessei o rio fecundo da criatividade

Atolei contudo no pantanal da inercia
Deram-me os sonhos a vaidade
Acabei atracada á evidência

Que difícil é esquecer-me
Do que que não fui nesta vida

Se morresse neste dia as folhas choravam
Os montes erguiam os braços ao céu e clamavam
Morreu a mulher
Ficou contudo o sangue vermelho por entre o barro
Levou consigo o olhar altivo, orgulho até
 Alarde vestido no fundo da alma apavorada




Mulher atrevida...

Mulher atrevida… Não sei se é sonho ou se é esperança .   É um sentir agreste, uma força viva .   Até quando dorme pode  ser crian...