domingo, 22 de fevereiro de 2015

Quem sabe...

Ofereço te um café,
na solidão do dia.
Uma conversa amena,
uma amizade sadia.
Ofereço te um café,
 ali, na encosta do silêncio.
Uma gargalhada,
e quem sabe convenço…
O amanhã.




Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...