quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Sonho...

Reajo às sombras que anunciam a noite…
Desvio o olhar e prendo-o num candeeiro!  
Imploro à lua que um dia se afoite…
A olhar para mim, a me ver por inteiro.

Imploro às pedras que afastem o açoite;
que o vento me dá num instante brejeiro.
Que tragam a esperança e nela pernoite,
uma réstia de luz num querer verdadeiro.

Se me sinto perdida em terra de ninguém…
Recordo os teus olhos, o que me faz sorrir.
Pequenos instantes de aquém… Estão além!

Em todos os beijos e alguns sonhos a advir.
Resisto à saudade nas nuvens que seguem,
o rasto do sonho, e assim vou dormir!

Máscara...

Sempre que adivinho a solidão alheia… É como se o espelho estivesse embaciado. E o meu rosto sugado por uma teia. Sempre que ...