sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Mistério...

Desalinho… tudo o que sobra de um beijo,
dado horas mortas, outros tempos.
Onde os corpos cansados num solfejo,
acreditaram; serem eternos os momentos.

Mas tudo passa afinal! E só agora antevejo…
 O estranho palco que é o meu pensamento!
 Em que a divina comédia pode ser realejo.
Eu e tu…os actores… sem perfil ou talento!

Mas não digas nada…passa em silêncio.
Não acordes o meu corpo, está vazio!
Em cada ruga que chegou sem critério.

Em vez disso, oferece-me um sorriso.
Numa valsa estrada fora. O caso é sério:
há beijos ao luar… que nascem do mistério!
Foto de modelos no atelier de Pedro Weingärtner (Porto Alegre26 de julho de 1853 — Porto Alegre, 26 de dezembro de 1929) foi um pintordesenhista e gravurista teuto-brasileiro.