quinta-feira, 8 de junho de 2017

Quero um abraço ou um beijo por inteiro...

Não quero perder tempo que não tenho.
A vida é errata… caminhada é contenda…
Basta olhar em redor com algum engenho:
Para perceber o sentido da imensa lida.

Por isso: Deixo ao tempo qualquer lenho.          
Na fogueira quero amor, quero maresia.
Quero um abraço ou um beijo por inteiro.
Metades: deixo às laranjas essa fantasia.

Chama-me louca, de que importa o delírio.
Quando a chuva cai na terra alaga o chão.
Passam semanas e floresce no campo o lírio.

Tal como ele… também me visto de roxo!  
Das suas raízes amasso o meu escuro pão.
Sou como sou… água ou vinho de fino mosto!


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...