quinta-feira, 31 de março de 2011

Bandeiras

Bandeiras…

Porque teimas
Em pintar a vida de cores baças
Impinges as tuas realidades
Não entendes que fogem a sete pés
Marés
De um rosário de lamentos
Constróis monumentos
Nos quais os deuses são escassos
Não existem altares à medida
O teu ego é enorme
Ignoras que consome
A chama da felicidade

Por que teimas
Na miseração descomunal
Não é assim , então que tal
Ai vida que passa sem ser vivida
Por acaso as dores sofridas
Não fazem parte do aprendizado
Porquê o espalhafato
Em que tornas as rotinas
Mais rotineiras que a própria sombra

Dores fazem parte da estrada, assim como altas barreiras
Temos que ter engenho para as ultrapassar, sem delas fazer bandeiras.

Os sonhos chegam nas trindades…

Em qualquer canto ouço a voz dos dias!... Traz ao de cima as fantasias. Mas qualquer canto ensurdece o vento. Mesmo que o intento po...