quinta-feira, 3 de março de 2011

Porque se dão nozes

Porque se calaram as vozes
Que copiosamente assolaram
Os cansaços devassaram o olhar
...As ideias parece que hibernaram
Porque se dão nozes
A quem não tem dentes p`ra trincar

Por carreiros caminharam peregrinos
Que motivos os levaram a sondar
O fundo da existência inaudita
A pátria renegaram ao virar
A cabeça aos sonhos e destinos
De criança que olha a estrada e acredita

Ter nas mãos uma terra a desbravar
Os ventos ao sul eram velozes
Com o olhar a vida desbravaram
E agora que as costas já curvaram
Curvam-se os desejos de liberdades
Escondidos nas mentes, ansiedades
São o gritos mais ouvidos, um germinar

Que desponta numa manhã fria
Com as vozes de mil galos a cantar
Quem diria, quem diria que nascia
Esta vontade tresloucada de afirmar

Que o crer é relógio biológico
Pode estar cativo, até amordaçado
Mas um dia vira bicho enjaulado
Rebenta amarras com um vento ciclónico...

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...