terça-feira, 11 de novembro de 2014

Amei...

Amei por entre as flores da primavera,
Sem espaço p`ra chorar a desventura!
Pois quem ama exalta ou desespera,
Igual à sorte que perdura na candura.

De um beijo ao luar. O jus de uma quimera,
É quase sempre a ponta de ternura.
Que nos empurra ou degenera,
Em noite clara envolta na loucura!

De dois corpos cansados no viver…
Ou então, caminhos a par, insurreição.
Será o amor uma leitura a aprender.

Ou será simplesmente certeza e o prazer,
Que na morte nos embala, a perfeição…
De que amar é vida além sorte a acontecer!




Ai de mim...

Deixa que adormeça na terra árida. Que o tojo seja o cobertor dos dias frios. A aurora seja o sinal que a alma aguarda. E o vento o ...