sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Silencio




Se eu induzisse o silencio
Que pesa nas pedras da rua
Incutisse o movimento
Que solta folhas no chão
Quem sabe voasse nua
Nas ruas em turbilhão
Pulasse a ribanceira
Que é a mente, aflição

Se o silêncio induzisse
De que serviria afinal
Se a constatação do vazio
Se abate na noite infernal...

Silencio…!

Reina, invisível… Nem as paredes sabem  a cor. Ou o cheiro do seu eterno bafo. São tantas as nuances que não cabem na casa desventra...