domingo, 9 de março de 2014

Aquele menino

Nada sei de ti por entre as pedras
Por entre as nuvens nem te imagino
Nada sei dos raios de sol, ou vento suão
Cantigas de Maio, mas que confusão
Sei contudo! Teu olhar menino
Tuas mãos abertas, certezas incertas
Rogando carinho.

Nada sei da rua, casas sem telhado
Um rio sem peixes, quando quero invento
Não será de agora. O olhar detive
Aquele menino, que com fome vive
Rogo ao Deus Menino que lhe dê alento
Eu não consigo, poemas invento

De cá para lá, pé na estrada, vou
Dando uma desculpa pelo que não sou
Aquele menino na rua em declive
Olhou para mim, e só mágoa tive.




Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...