domingo, 2 de fevereiro de 2014

Quero lá saber



Desconheço o dia e até a noite
Nada sei de borboletas e flores
Desconheço ainda intensos amores
Num país que agoniza na fome

Esta terra gretada que chama por mim
Grita tão alto alta madrugada
Os gritos deixei de ouvir
Sentir o vir num verso proscrito
Esta terra vazia de gente nova
Deposita aos meus pés lágrimas de sal
Deixei de ver ao cair da tarde
 Nas rimas que não fazem bem nem mal

Desconheço eu sei  o medo de ser
De ter até o parecer, deixou de ditar regra
Porque choram os velhos, quero lá saber
Dos pés gretados porque faltam sapatos
Aparatos em rimas de pouco mais que nada
Não me digam crianças tenho fome
Muito menos as mães me implorem
Quero lá saber se pedem esmola
Domino o verso de amor sem bitola

Que será do poeta depois de cegar
Que será de mim ao apontar
Quero lá saber só sei escrever
Merda para o meu saber.