domingo, 25 de janeiro de 2015

O Verso.

Caminho numa estrada sem volta, e aí
seguro-me às bermas repletas de cor,
do olhar de todos, com quem reparti
pedaços de mim. Alguns com fútil ardor.

Outros, desnutridos de amor. Sei que aluí    
sem modéstia, ou pudor, até em alto clamor
a pacatez dos sentidos. Mas não destruí
o que sou. Assim caminho, com frio, ou calor.

Descalça de arabescos, olhos postos na Foz.
Uma serapilheira por vestido, o chão
do Alentejo grudado na alma. Alguns nós

que espero desatar em versos. E as Mós
que são os olhares, elevam a convicção.
De que mais além o verso correrá veloz.

25-01-2014