domingo, 18 de janeiro de 2015

Suporte...

 Tenho aquela saudade premente,
é fria, oca, até escorregadia.
Insiste, resiste, vai e vem.
Tenho aquela saudade…

Saudade de ti, que um dia passaste,
e de ti que nunca chegaste.
Do que foi num dia qualquer,
do que há-de vir, se chegar a tempo.

Será que sou eu,
Ou um adrego qualquer…
Pode ser do mundo, da vida,
até da morte.
Será a saudade por vezes, suporte…


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...