sábado, 16 de maio de 2015

Não estás comigo...


É na noite que tudo acontece,
em pequenas clareiras de folhagem densa.
Entra a luz da lua e não me reconhece:
Não sei se é da sina, se da crença.

Pode ser a alma que vagueia ao luar,
os sentidos em horas mortas.
Será quem sabe um mendigar.
Ou então o transpor de portas.

Arredado o pensamento:
baila nas palavras de letras miudinhas,
 umas atrás das outras!

Amanhã, sorrirás certamente!
Enquanto na estranha dança
serei um pequeno átomo.
Que o vento depositará na tua alma.

Tudo porque hoje não estás comigo,
 por entre o silêncio da casa deserta.
Onde as sombras vagueiam,
tal alma penada, vagueiam!
Assim como os poemas incompletos.

Logo mais os depositarei no teu olhar.





Mulher atrevida...

Mulher atrevida… Não sei se é sonho ou se é esperança .   É um sentir agreste, uma força viva .   Até quando dorme pode  ser crian...