sexta-feira, 8 de maio de 2015

Ficamos só nós dois...

Se afastasse o vento para detrás dos ombros,
seriam as encostas da serra a mesma coisa?
Se olhasse de frente para o sol:
Ficaria cega num ápice.
Então, porque revivo amiúde o que deixei lá atrás?
Deve ser do vento:
Perde-se volta e meia no descampado!

Que é a mente irrequieta…

Logo, entras pela janela entreaberta.
Converso contigo por entre a penumbra,
rimos. Como só nós sabemos.
Brincamos com as palavras!
E deixo… entrar todos os poemas:
Como se fossem peões, dançam tresloucados,
o vento em alarido vira-me as costas.

Ficamos só nós dois, admirados!
Enquanto ele se diverte nas encostas.


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...