quinta-feira, 14 de abril de 2011

Faça como eu

Faça como eu
Limpe as lágrimas
Com lençol de alpaca
Lustrosa raiva
Que me mantém viva
Remexo depois num camafeu
Que a vida levou
Ás vezes até fui eu.

Faça como eu

Não acredito no preto
Muito menos no cinzento
Quando chegam
Mostro-lhes o azul
Aquele brilho num olhar
De criança a cismar
Quero aquilo…

Mesmo que o preto teimoso
Teime em ficar
Cansado com o brilho do azul
Vira as costas
Se esvai pela frincha da janela
Aquela…
Que já nem sabia que existia
Mas…
Por onde de vez em quando
Entra um sol radioso.

Faça como eu
Não cobre da vida
Aquilo que não consegue dar
Recolha migalhas
Como quem guarda pérolas
No final terá um rosário
De amigos que não são imaginário
São parte do seu caminho

Faça como eu
Depois das lágrimas
Que teimam volta e meia
Em soltar raivas
Fique paredes meias
Com o azul do céu

Verá escrito nas nuvens
Aquela além olha por ti
Por isso faz a tua parte
E hoje para a vida sorri.

Os sonhos chegam nas trindades…

Em qualquer canto ouço a voz dos dias!... Traz ao de cima as fantasias. Mas qualquer canto ensurdece o vento. Mesmo que o intento po...