domingo, 10 de abril de 2011

Onde está

E depois eu quis um amor simplificado
Imaginei-me numa casa sem telhado
Onde dois braços seriam a trave

E depois imaginei o sol poente
Onde tudo seria tão diferente
Bastaria prenunciar o seu nome

Para que o Inverno se afastasse
Tudo o que era caduco eu negasse
Para que o amanhã me trouxesse

Um rosto

Mas onde está esse amor simplificado
Não tem corpo, não tem gosto
Pergunto ás telhas do telhado

Onde está esse amor tão atrasado.



Maria… Um Conto de Natal...

- Maria: é o meu nome. - Porquê, Maria? Retorquiu a criança de olhos arregalados. - De onde eu venho todas as mulheres são, Marias. ...