quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Poetas...

As andorinhas chegaram cedo
Entraram pelas janelas
Abriram asas, eu abri com elas
Soltei a imaginação
Deixei solto o coração
Abri a porta trancada
Deixei entrar a alvorada
Soterrei-me de cor sem medo

Desenhei na primavera
A força do pensamento
Não sei se é acaso ou momento
Aquele em que caminho
Igual a ave no ninho
No dia do voo primeiro
Penso, só estou em Janeiro
Como pode a andorinha
Sobrevoar de manhãzinha
O meu espírito como quimera

Num novo bater de asas
Vejo, não estou a sonhar
Vejo os teus olhos poeta
Soltos, no vento a voar.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...