sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Tu e eu...

Sei-te parte de mim, do meu sentir
Do meu olhar, mesmo de olhos fechados
Em madorna, ou então amedrontados
Pelo incerto, de que não me saibas ouvir

Sei-te parte de mim num tempo advir
Por onde os nossos passos livres, cruzados
Nos levam mesmo quando estão parados
E nos impelem a subir, o mais além que possa ir

O nosso crer, sei que algo pode acontecer
O dia pode emudecer, a noite adormecer
Até os rios pedem secar, e os peixes fugirem

No mar alto voltarem a morar, eu sei
Que és parte de mim, sei assim que te olhei
Que tu e eu somos vontades a afluírem

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...