quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Jeito

E agora
Sinto que estás aí
Pressinto um olhar zangado
Um imaginar ensonado
De que alheia estou
Não, apenas me dou

Porquê, não interessa
Gosto desta nossa conversa
Monólogo de mim em ti
Eu sei, sei agora vi

Um sorriso no teu olhar
Uma névoa em estilhaço
Pressentindo um forte abraço
Neste jeito de te falar