quarta-feira, 16 de abril de 2014

Abril...

Ao abrir os olhos pela manhã
A imagem desce tranquila
Do teto que é branco.
Traz nos olhos saudade
Nas mãos fraternidade
No coração uma bola de fogo

A primeira questão
Que fizemos nós com o quinhão
Que descaiu no colo
Que fiz, ou tu
Com a liberdade

Abri os olhos quarenta passaram
Tantos os molhos de cravos, mingaram…
As mãos agora vazias
Nos olhos, revolta
O coração mais frio que nunca

Ai, como queria que aqueles dias
Voltassem
Num Abril de esperança
Esmiuçassem


A vontade de fazer diferente.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...