sábado, 18 de julho de 2015

Inquietação da Alma...

De uma brancura premente, esta saudade de tudo!
Do cheiro da tua pele, ou de um campo de lírios.
Da tua mão no meu seio: ou de verdes milheirais.
Saudade do vento suão: e de uma nostálgica canção! 

Até as sombras chinesas relembro noite dentro!
Em pleno mês de Agosto, na tua voz o trinar,
de uma cigarra ao calor. Da chuva na trovoada…
Aflitiva a memória, sonha e volta a sonhar!

Entra-me o vento pela janela da alma,
desassossega todos os poros da pele,
insiste em me chamar sua!

Nas trevas da solidão bailo desvairada!
Internem-me … Que a memória tingirá de mel,
todos os sentires que são teus!