segunda-feira, 6 de julho de 2015

Só se deixa despir quem quer...

E agora? Cai o carmo e a trindade
Num padre-nosso a preceito.
Tudo porque me ´´despistes``!

Sim: é para ti a conversa.
São os filhos gerados na penumbra?
Na luz mortiça da vergonha.
Serão paridos entre paredes?
Amedrontados.
Ou, só acontece a alguns?

E agora? A procissão vai no adro.
Aos pés da cruz a vida!
Maria Madalena a santa perdida.

Sim: é para ti a conversa.
Que me ´´despistes`` com os olhos,
da escuridão!
São os pecados caixa de pandora.
E a virtude trocados!
Em mente de breu aguado!

E agora? Cai o carmo e a trindade  
no obscurantismo saloio!
Teme a claridade da mente liberta!
Da retórica faz coberta.
De estopa a pano-cru
A diferença é premente.
É para ti a conversa.
Só se deixa despir quem quer,
mas disso não sabes tu!






Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...