segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Ausência...

Desconheces quem sou na sombra fugaz,
de uma qualquer tarde por entre o casario.
Posso ser a terra…ou então serei incapaz
de suster o eco de um espaço vazio…

Sem te olhar a tempo:  por não ser capaz;
apresso o passo … E mesmo assim sorrio!
Tudo em redor me parece fugaz…
Nada se compadece… mas tremo de frio!

Pressinto os raios de sol na opulência,
das luzernas por entre a sombra.
Não… Não te percas nos meus passos:

como me perco a adivinhar os teus.
Sou o que resta de uns quantos beijos,
na pacatez de uma estranha ausência.




Ai de mim...

Deixa que adormeça na terra árida. Que o tojo seja o cobertor dos dias frios. A aurora seja o sinal que a alma aguarda. E o vento o ...