quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Do outro lado...

Se eu agora falasse de amor
Diria o teu rosto,
Numa cantiga vadia o teu gosto
Não ignorava as tuas mãos,
Areias movediças no meu colo.
Traria ao papel os teus lábios
Sob a nudez do meu seio.
E nas linhas o rodopio do sentir.

Se agora falasse de amor
Empurrava o tempo,
Noite dentro, dia claro.
Nas janelas ante abertas
Da alma cansada.
Dos teus medos… meu anseio
De mulher… sobretudo falava de brisa,
Ligeira, como ligeira é a sorte,
Ali, do outro lado do tempo!

Silencio…!

Reina, invisível… Nem as paredes sabem  a cor. Ou o cheiro do seu eterno bafo. São tantas as nuances que não cabem na casa desventra...