quarta-feira, 17 de junho de 2015

De sonhos enfeito o futuro

São as nuvens o meu telhado,
os sobreiros as paredes,
uma estrela a iluminaria,
e de alimento a ilusão!

De mobília tenho um fado,
de amparo o campo aberto,
ao nascer do sol!

De sonhos enfeito o futuro,
e de amor fiz um rosário,
da saudade pirilampos,
que solto por entre as nuvens!

E contigo corro ao relento,
onde as quimeras são sebes,
que a alma supera!