domingo, 7 de junho de 2015

Um verso de amor...

Pede um verso de amor…
Como se as palavras não se repetissem.
Pede por mim, por ti, por todos os que sonham ao luar…
Pede um poema de amor: refeito e com cor.
Atreve-te a saborear o impossível, e ri de mim,
mulher sem eira nem beira, onde o vento suão
é palavra. Implora amor…
Por tudo o que te é sagrado.
Mas não implores por mim,
sou ave de rapina em voo prolongado!
A banalidade no verbo amar é arrepio:
em quatro letras! Então,
que seja verbo na frase perfeita.
Do amor elevado ao cume sem galanteio…
Pede por favor um verso contrafeito.
E verás borboletas nos meus olhos.


Os sonhos chegam nas trindades…

Em qualquer canto ouço a voz dos dias!... Traz ao de cima as fantasias. Mas qualquer canto ensurdece o vento. Mesmo que o intento po...