quarta-feira, 10 de junho de 2015

O Nosso Amor

Caminha comigo à beira mar,
onde sem espaço ou tempo o sonho emerge.
Deixa que o vento te roube um beijo,
e o deposite nos meus lábios.

Ouve então a canção das ondas e sorri.
Nas nossas mãos unidas: o mundo!
Corre na areia: mas leva-me contigo.
Poderei então morrer sem aflição.

E as gaivotas que sobrevoarem a praia,
levarão presas nas asas,
por entre os ventos em abolição,
uma história de amor por inventar.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...