quinta-feira, 19 de maio de 2011

Atalhos

Ser impaciente, é ser alheado
Ao peso de um pesar curvado
Sob o peso de ombros pesados

Pelo peso dos anos que são alternados
Entre pesos obesos e pesos eruditos
Não serão sempre sábios os pesos da vida
Mas serão contrapeso na hora da escolha
De um passo apressado sob o peso da sorte

Uma vida pesada em balança decimal
Mostra o equilíbrio entre a sorte e o ser
Ser impaciente é a meu ver
Um modo de ser bem teatral

A impaciência é a mola redutora 
Que simplifica a vida por atalhos.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...