terça-feira, 17 de maio de 2011

Clamor

A chuva bate na vidraça
Lava a alma deserta
Entrelaça-se no som do violino
Que grita sem dor
Uma musica de amor
A chuva bate na vidraça
Trás com ela a esperança
Que se enlaça na musica de fundo
Amanhã o dia não será surdo
Ouvirá o clamor
O vento promissor
Não anunciará trovoada
E sim a tua vinda
Com algum ardor   

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...