domingo, 4 de setembro de 2011

Calmaria

O que é este pressentir aguado
Contrastando com espécie de farrapo
Que se chega

O que é o ímpeto de relance
Que me diz não é o que parece
Está tudo mal 

O que são dias e noites
Sem bravia tosca calmaria
Onde o meu espírito reclama

O amanhecer nos teus braços
Na manhã calma.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...