quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Sangra


Sangra uma dor vadia
Imploro ao veio
Que verta as gotas
De uma só vez
Que por sua vez
Corre surdo
Na altivez de vilão
O meu coração
Sacia-se constantemente
No vermelho tingido
Pela resignação.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...