domingo, 1 de janeiro de 2012

Um novo olhar

Nada tenho para dizer que noite esta
O cansaço tolhe-me as ideias
Mas escrevo ás telhas do telhado
Imagino que elas são colmeias
E que a vida é húmida floresta
Assim lhes escrevo um verso inacabado

Junto ás rimas o calor e o acto de amar
Salpico-as com uma esperança arredia
Canto baixinho um refrão
Desejo que ao despertar o novo dia
Desperte também em mim um novo olhar
Brote com o sol a confiança em combustão

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...