terça-feira, 28 de outubro de 2014

Quem sabe...

Traz ao âmago o desejo inacabado,
de  um abraço apertado.
 E quem sabe o céu escureça de pudor…
Traz sentido numa frase incompleta,
 medula do sentir olvidada no fonema,
Onde a palavra amor repouse…
Atreve-te por entre a bruma das certezas
a incentivar felicidade,
E quem sabe durmas tranquilo…