segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Medo...

Tenho medo!
Não um medo qualquer,
mas um medo muito meu.

Não tem cor, nem cheiro.
Muito menos tem eco, ou grito.
Nem sequer tem choro.
Mas mesmo assim tenho medo!

Tenho um medo quieto!
Num ocidente sem guerras.
Permissivo mas inóspito.
O que me leva a questionar…
O mais pacato sentimento.

Para onde caminhas,
humanidade em declínio?
Se apesar do medo,
recorres ao medo,
para impor tirania.

Por isso mesmo na minha pequenez…
Tenho medo de um dia ter Medo.