sábado, 19 de novembro de 2016

Solidão...

É a solidão um fardo pesado.
Até as paredes olham desconfiadas.
Outras, somente admiradas!
Tudo pesa, até o silêncio gravita…
Tal qual a lua… gira em torno do eixo.
Gira o silêncio em torno de mim.
E giro eu na tarde fria.
Enquanto os sonhos se focam no fim.


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...