terça-feira, 1 de novembro de 2016

Tudo passa...

Apetece neste dia de sol envergonhado
O pregão a castanhas assadas. O cheiro da rua,
 passear mão na mão, olhos nas esquinas,
em busca de sorrisos e gestos prazenteiros.

Apetece o teu cheiro, romã madura.
Água-pé, até um café em pires de prata.
Peço ao dia um pouco de tudo isto.
Numa ilusão tresmalhada.

O que são saudades senão aventurança.
Longe ou perto o tempo é movimento…
Tudo passa… só não passa a lembrança!






Maria… Um Conto de Natal...

- Maria: é o meu nome. - Porquê, Maria? Retorquiu a criança de olhos arregalados. - De onde eu venho todas as mulheres são, Marias. ...