quinta-feira, 16 de março de 2017

Ousadia…

Eu sei que espero enquanto a vida pende…
Para os lados do sol-posto. Espero por ti…
No resguardo das ilusões, assim se estende,
a calmaria das horas e até penso… Já morri!

Na brandura dos dias só a alma entende.
Uma ilusão dúbia e esguia … Que só eu vi.
No ondular do sentir que o olhar prende,
ou no verde da esperança que antevi…

Num gesto de fruta madura está o condão,
de prender o olhar… Alfineta com ousadia!
Até, em palavras singelas se estende a mão!  

Mas tudo corre… Grita a noite: Quem diria…!
Que os dias passam e as asas são só ilusão.
É nela que enfraquece qualquer ventania.