sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Sem beiral...

Olho a vida que debanda num sopro,
impávida e serena… Vale sempre a pena…
Qualquer ousadia mesmo que seja fria.
Mesmo que seja amena de hálito morno.

Vale sempre a pena um sorriso maroto.
Aos dias crus e sem graça. Correria louca!
Faz de mim; ciranda de pedra gelada.
Perdida em mil duvidas … que mundo louco!

Por onde andam as estrelas e o sol…
As águas mansas de um lago sem sal…
Ou o frio do Outono, por onde andam afinal…

Os passos que deixei para trás, sem farol.
Ou sem a segurança de um mero lençol;
que cubra os dias suspensos… Sem beiral.




Os sonhos chegam nas trindades…

Em qualquer canto ouço a voz dos dias!... Traz ao de cima as fantasias. Mas qualquer canto ensurdece o vento. Mesmo que o intento po...